Eu e SÓ EU...

Eu e SÓ EU...
Alone

Como EU sou...

Photo Effects by Wishafriend
Photo Effects By WishAFriend.com

Bom Dia, Boa Noite... "essas coisas"!

Posting

Photo Flipbook Slideshow Maker
PORTUGAL é "só isto"...?!... NÃO... essencialmente, é UM POVO...!!!

Provérbios

“Só um sentido de invenção e uma necessidade intensa de criar levam o homem a revoltar-se, a descobrir e a descobrir-se com lucidez”. (Pablo Picasso)

PORTRAIT




Não importa quantos passos você deu para trás, o importante é quantos passos, agora, você vai dar para frente.

Gedeão


Eu, quando choro, não choro eu. Chora aquilo que nos homens em todo o tempo sofreu. As lágrimas são as minhas mas o choro não é meu.A.Gedeão

A(o)s que me deixam MENOS alone...!!!

domingo, 10 de julho de 2011

Dois prá lá, dois prá cá



Vestido de festa preto, meia de seda e sapatos de salto compunham o visual da menina. Bonita e desajeitada. Em plena adolescência, aprendendo a se equilibrar, chegando perto das mulheres que antes só lhe cabia admirar. A primeira vez. Mesmo quieta, sentia que agora fazia parte do som da festa. Por anos, apenas escutara de seu quarto o burburinho, imaginando o enredo. Música, falas, copos, risadas. Olhava o pai recebendo os primeiros convidados. A mãe dava uma última mirada na sala sem móveis transformada em pista. Uma piscadela para a filha. Um sorriso para uma amiga. Um gole na bebida. O pai começava a ser tirado para dançar. A mãe mexeu de modo tenso no vestido. A filha percebera. Ecoava a briga da tarde. Você que não dance com as outras, com todas, menos comigo! Não faça papel de louca! O pai dançarino. A mulher agradeceu-lhe a dança com um beijo longo no rosto. Muito perto da boca. A menina entendia a mãe. Há muito, o marido não lhe fazia o par. Queria mantê-la longe do garçom. Mas vidrada no pai, perdera a conta dos copos da mãe. Presenciaria o escândalo que das outras vezes apenas ouvira do quarto, apertando com força o travesseiro e fechando os olhos como se fossem ouvidos. Algumas mulheres amparam a mãe, pegam-lhe pelo braço, oferecem-lhe café. As lágrimas turvam a cena e borram a maquiagem da menina. Uma mão quente e firme toca em seu ombro nu. Reconhece a voz. Vamos dançar, minha filha? E concentra-se nos passos de seu professor. São dois prá lá, dois prá cá.

Ana Carolina Carvalho

Fonte: releituras.com






Posted by alone Dated10jul2011



Nenhum comentário :

Postar um comentário