Eu e SÓ EU...

Eu e SÓ EU...
Alone

Como EU sou...

Photo Effects by Wishafriend
Photo Effects By WishAFriend.com

Bom Dia, Boa Noite... "essas coisas"!

Posting

Photo Flipbook Slideshow Maker
PORTUGAL é "só isto"...?!... NÃO... essencialmente, é UM POVO...!!!

Provérbios

“Só um sentido de invenção e uma necessidade intensa de criar levam o homem a revoltar-se, a descobrir e a descobrir-se com lucidez”. (Pablo Picasso)

PORTRAIT




Não importa quantos passos você deu para trás, o importante é quantos passos, agora, você vai dar para frente.

Gedeão


Eu, quando choro, não choro eu. Chora aquilo que nos homens em todo o tempo sofreu. As lágrimas são as minhas mas o choro não é meu.A.Gedeão

A(o)s que me deixam MENOS alone...!!!

sábado, 7 de maio de 2011

Alberto Caeiro




Uma excelente associação de Poema e Música num Vídeo "bem conseguido"... PARABÉNS!



Posted by alone Dated07may2011


sexta-feira, 6 de maio de 2011

Ensinamentos de amar mulheres virgens





Explica-me
Mahatma

A analogia
De amar
E dormir
Com lindas mulheres nuas
Por uma, duas, três e mais
Luas
Ao luar
Sem lhes tocar
E sem se deixar seduzir

Explica-me
Em que orgia
De espirutialidade
Se mergulha
Na verdade

Não é o sexo uma luta de morte
Um matar e morrer
Para dar vida
E renascer?

Deverá o povo
Aprender a amar suavemente
Sem propósitos libidinosos
Nem desvios odiosos
Para que se ilumine a mente
E possamos ver
Um homem novo nascer?

Será possível fornicar
Sem resfolegar?

Não há santidade na sexualidade?
Onde está a virtude
Da virgindade?

Explica-me
Mahatma

Que eu possa aprender
A tempo de ensinar

Vale de Salgueiro, quinta-feira, 14 de Outubro de 2010
Henrique Pedro

Fonte: http://www.luso-poemas.net/







Posted by alone Dated06may2011



Fim de SEMANA...?! Vai uma PIADINHA...?!... VAMOS LÁ...



O AMANTE Estático

O marido e esmurra a porta, bem na hora que a morena escultural
está na cama,
se divertindo com o amante, que se desespera:
- Ai, meu Deus! O que vamos fazer?
— Calma, eu sei o que fazer! — tranqüiliza ela — Fica em pé ali no cantinho!
— No cantinho? Tá louca? O seu marido vai me ver!
— Faz o que eu estou falando, rápido!
Mais do que depressa o sujeito fica parado como ordenou a morena, que pega um balde de óleo e joga sobre ele, que não entende nada. Pra completar ela pega um pote de talco e derrama sobre o corpo do coitado.
— Não se mexe até eu mandar! Finge que é uma estátua!
Então o marido entra, a mulher tenta disfarçar e ele pergunta:
— Posso saber o que é isso?
— Ah, meu bem... É só uma estátua! A família Silva colocou uma no quarto deles e eu gostei tanto que comprei uma igualzinha pra gente!
Então o marido olhou com desprezo, resmungou e deitou na cama pra assistir televisão. Viu a novela inteira e nem foi ao banheiro nos comerciais, assistiu um filme de três horas e não pregou os olhos. Já eram duas da manhã e o marido ainda estava assistindo televisão. A morena já tinha pego no sono e o Ricardão firme, agüardando o momento de fugir.
Quando, para a alegria do ricardão-estátua, o marido finalmente se levanta e vai até a cozinha preparar um sanduíche.
O Ricardão abre a janela e tenta tomar coragem para pular quando o marido corno volta com um sanduíche e uma lata de cerveja. O Ricardão consegue disfarçar. Então o marido chega bem perto dele e diz:
— Toma, cara... Come e bebe alguma coisa! Eu fiquei dois dias que nem um idiota no quarto da família Silva e nem um copo de água me ofereceram!

Origem: NET



Posted by alone Dated06may2011

Pensamento/Reflexão - O Que é a Inspiração?



Eu não sei o que é a inspiração. Mas também a verdade é que às vezes nós usamos conceitos que nunca paramos a examinar. Vamos lá a ver: imaginemos que eu estou a pensar determinado tema e vou andando, no desenvolvimento do raciocínio sobre esse tema, até chegar a uma certa conclusão. Isto pode ser descrito, posso descrever os diversos passos desse trajecto, mas também pode acontecer que a razão, em certos momentos, avance por saltos; ela pode, sem deixar de ser razão, avançar tão rapidamente que eu não me aperceba disso, ou só me aperceba quando ela tiver chegado ao ponto a que, em circunstâncias diferentes, só chegaria depois de ter passado por todas essas fases.

Talvez, no fundo, isso seja inspiração, porque há algo que aparece subitamente; talvez isso possa chamar-se também intuição, qualquer coisa que não passa pelos pontos de apoio, que saltou de uma margem do rio para a outra, sem passar pelas pedrinhas que estão no meio e que ligam uma à outra. Que uma coisa a que nós chamamos razão funcione desta maneira ou daquela, que funcione com mais velocidade ou que funcione de forma mais lenta e que eu posso acompanhar o próprio processo, não deixa de ser um processo mental a que chamamos razão.


José Saramago, in "Diálogos com José Saramago"

Origem: citador.pt



Posted by alone


Dated06may2011


Fala um MESTRE... de "gente humilde"!



Cuidado com os burros motivados! Há muita gente motivada fazendo besteiras. O cara mal educado, dá uma gorjeta alta para conquistar o respeito do garçom . Hoje em dia, como as pessoas não conseguem, nem ser e nem ter, o objetivo de vida se tornou PARECER.!! As pessoas parecem que sabem, parecem que fazem, parecem que acreditam! São poucos os humildes para confessar que não sabem!

Robert Shinyash Iki- entrevista dada à revista Veja





Posted by alone

Dated06may2011


quinta-feira, 5 de maio de 2011

Virei "saco de porrada"...!!!



Aos 59 anos de idade já sou bem "um menininho"!...

Em termos de blogs até que... eu sou: 1lindomenino ou ruilindomenino mas... só aí!...

Na verdade e, para quem começou a trabalhar aos 16 anos -sem "frescuras"- era HORA de curtir umas horas de sol na Figueirinha ou no Portinho (em SETÚBAL, claro...) e ler uns jornalecos que sempre vai havendo no "nosso" café de "eleição", ir a uma ou outra sessão de teatro do T.A.S. (já agora: o (des)governo "cortou-lhes a mesada!...), olhar o Sado ou ler e ver uma TV. Mas, a "coisa" tá feia e, agora, já nos querem só dar a "miséria" da reforma lá para os 67/68 anos, numa fase que "já completamente cheios de maleitas", entregamos logo TUDO na Farmácia e, se tudo correr pelo melhor, não ficamos ainda com um "rabinho" da factura por pagar -por deferência do "nosso" amigo farmacêutico- no mês seguinte!...

Ora, tendo eu casado e estando a trabalhar aquí no Brasil, a "coisa" em Reais ainda é "mais curtinha" (ver o meu artigo anterior "A Desilusão"), somos sempre da "terrinha", "portuga" ou de "Trás-os-Montes" (a única região que o Brasil recorda por causa "daquela coisa" das "meninas de programa" em Bragança e arredores e que levou as mulheres dos "traidores" a uma REVOLTA contra "as ditas"... lembram-se?!... É, "eles" também...!!!) e quando toca a "reunir" o Português é um "verdadeiro saco de porrada"! Estou a falar daqueles sacos que, a gente do boxe ou de uma ou outra arte marcial, têm para "descarregar" aquela adrenalina TODA lá no ginásio... e que, por vezes, é MUITA!...


Aquí continuam a vêr o Português tacanho de 1700, que não sabe de NADA e em que, TODO O MUNDO, descarrega a "bilis" quando "acha por bem.! Como o Português já NÃO É ESSE, como sabe de Línguas, é culto, tem blogs, sabe escrever e contar, tem carro e casa, então... TOMA PROCESSO!...


O "saco de porrada" começa a funcionar!...

Não é que nos matem com "essa coisada" mas lá que "chateiam", lá isso...!!!


Ai, Ai... "pasciência"... !!!





Written and Posted by alone Dated05may2011


quarta-feira, 4 de maio de 2011

Onde estão?! (PIADA de 1 "miúdo"...)



O homem liga para casa do amigo mas quem atende é o filho pequeno.
Diz o homem:
- O teu pai está?
O miúdo responde, muito baixinho:
- Está, mas está lá fora...
- E a tua mãe, está por aí?
O miúdo continua, muito baixinho:
- A minha mãe está, mas está muito ocupada...
- Bem... Mas está mais alguém na tua casa?
- Está, estão a polícia e os bombeiros... Mas estão todos muito ocupados...
- Caramba... Mas eles estão ocupados a fazer o quê?
- Estão à minha procura...


Origem: NET



Posted by alone Dated04may2011

Mentiras, "mentirinhas"...

Teixeira dos Santos anda "de bico" calado... DESEMBUCHA, "OME"...!!!


Quando maior a mentira, maior é a chance de ela ser acreditada.

Adolf Hitler



Nota de alone: foi -certamente- pensando nisto que o Ministro em "funções", Teixeira dos Santos, deixou o "nosso primeiro" falar sobre O GRANDE ACORDO com a "troika".

PINÓQUIO (o "engenheiro", claro!) ...!!!



Posted by alone Dated04may2011

O batizado da vaca



O lugar era tão bonito, o clima tão bom, as flores tão rosas e as vacas tão bovinas, que o chefe da família achou que valeria a pena comprar ali uma fazenda.

Consultou a família que, de pronto, foi contra. Isto colaborou demais para que o chefe da família entrasse, imediatamente, em conversações com o proprietário de uma, que se queria desfazer da fazenda, por achar que ela estava num lugar que não era lá essas coisas, o clima era idiota, as flores não fugiam daquela variedade: rosas, rosas, rosas, e as vacas, coitadas, eram simplesmente bovinasnuma total falta de imaginação. Vá-se querer que as vacas tenham isso!

O negócio foi fechado por um dinheiro grande, e a família tomou posse da propriedade dois dias depois, data que coincidia com a véspera do fim das férias.

A fazenda ficava num vale e era separada em duas partes por um córrego como o que só corre na infância dos escritores. Tinha matas e vacas, rosas e charcos, galinhas e caseiros.

— Uma idiotice, comprar essa fazenda — vaticinou a esposa, numa contrariedade de quem faz doze pontos.

— Comprar terra sempre é bom negócio ­vibrou o chefe da família, puxando o ar, a encher o peito com um cheiro de estrume que vinha do estábulo. — Olhe em volta. Até onde a vista alcança, tudo é nosso. Está vendo o abacateiro? É nosso; Aquele caqui-chocolate? É nosso. A carreira de jabuticabeiras? Nossa. O mato, a casa, a cocheira, o estábulo, o caminho, tudo é nosso. Esse céu, que cobre a fazenda, é o único pedaço de céu que é nosso, porque 0 da cidade é do governo. Aqui, mandamos nós, porque aqui tudo é nosso!

— Pra quê? — sintetizou a mulher, numa pergunta de esposa.

— Ora — explicou admiravelmente o chefe da família —, para ser nosso. Nossa terra, nosso chão, nosso cantinho, nossas rosas! — e pegou numa, furando o dedo.

Durante o curativo no dedo magoado um dos trabalhadores da fazenda aproximou-se com uma notícia muito importante: a fazenda acabava de crescer de valor pelo nascimento de uma bezerrinha.

Viu? — comentou, vitorioso, o chefe da família, batendo nas costas da esposa, de modo a fazê-la cuspir a primeira jabuticaba que tentava comer. - Nasceu uma vaquinha!

A notícia correu para os demais da família ao mesmo tempo em que, para os pais, corriam os filhos, estes, sim, felizes, ao saber do nascimento da novilha.

— É menino ou menina? — perguntou um menino que, de tão longos cabelos, nem se sabia se era menino ou menina.

- Não é assim que se fala, menino - esclareceu o pai. - A pergunta é: bezerra ou bezerro? É uma bezerrinha.

— Vamos ver? Vamos ver? gritavam os filhos a sugestão lógica das crianças que nunca viram vaca a não ser nos desenhos das latas de leite em pó. .

Foram. A vaca não deixou que se aproximassem da cria, que ficou sendo observada a distância pela família encantada e pelo caseiro indiferente e até um pouco irritado por haver uma vaca a mais no seu mundo.

— Quem é o pai? - perguntou a moça mais taluda.

—Um boi desses - errou 0 pai.

— Um touro! — corrigiu o caseiro, sabedor ele de que o boi é um touro que já era; boi é um touro que perdeu os documentos.

- Pois é — emendou o pai na mesma veemência —, um tourão danado desses. Olha a carinha dela. Os olhinhos ainda estão fechados.

— Vamos batizar! - gritou um menino.

— Boa idéia - concordou 0 chefe da família. — Quem vai escolher o nome?

— Eu. Eu. Eu. Eu — disseram, um a cada vez, os quatro filhos do casal.

E começou a discussão sobre o nome a ser posto na recém-nascida que, indiferente a tudo, mamava na mãe, provando, assim, que ela (a mãe) não era tão vaca quanto julgavam.

— Aretha Franklin!

— Janis Joplin.

— Jimi Hendrix — sugeriu o mais velho —, porque, até que me provem o contrário, essa vaquinha é touro; deixa levantar que vocês vão ver.

— É fêmea, que o caseiro viu — afirmou o pai, voltando-se para o caseiro, na indagação do que já afirmara: — O senhor não viu?

— Vi. É fêmea.

E tome de gritar nome: Califórnia, Disneylândia, Erva Maldita, Otorrinolaringologia... Havia os nomes sugeridos a sério e os de gozação. Todos os que citei eram os a sério. Finalmente, o bom senso ajudou a solucionar o impasse. Foi a esposa quem sugeriu o nome que lhe pareceu o mais indicado para a novilhazinha que mamava no seio vaquerno: Long Island.

— Desculpe — desculpou-se o caseiro por não entender.

— Long Island — repetiu a mulher com uma naturalidade de quem fala "mococa".

— A senhora podia escrever? — pediu o caseiro, confessando-se incapaz de decorar aquilo.

Arranjaram uma pequena tábua onde, com um prego, o chefe de família escreveu: LONG ISLAND, tabuazinha que, com o auxílio de um arame, ficou presa no pescoço da novilha para que ninguém, na fazenda, esquecesse que aquela jovem bovina atendia pelo nome de Long Island, nome que fica muito bem para parque de diversões, mas que não é dos mais adequados para quem cara de Mimosa, Formosa, Maravilha ou Vaquinha — modo, inclusive, que melhor ajuda o reconhecimento da peça.

Acabadas as férias, a família voltou à sua poluição metropolitana e só pôde retornar à fazenda dois anos depois.

Tudo continuava como dantes, com exceção de uma coisinha em pior estado, uma das quais o geral.

— Caseiro! — chamou o chefe de família, que não sabia que o caseiro tinha nome: José Caseiro da Silva.

— Pronto, doutor — obedeceu o caseiro meia hora depois, com a presteza de um favor bancários.

— Como vai a novilha?

— Está uma vaca! — elogiou o caseiro de um modo que soou ofensa aos ouvidos da família.

— Já dá leite? — perguntou um dos filhos.

— Dá, né? respondeu o caseiro estranhando a pergunta, pelo fato de saber (ele é acostumado, porque vive ali) que as vacas não dão outra coisa senão leite.

— Pois eu quero beber um copo de leite da novilha — ordenou a esposa do chefe, madrinha de batismo da vaquinha.

E o caseiro, sem que a família ouvisse, comandou a um seu auxiliar que tirasse um pouco de leite da vaca "Tabuleta".


Chico Anysio

Fonte: releituras.com




Posted by alone Dated04may2011

terça-feira, 3 de maio de 2011

PIADA "sem PRECONCEITO nem BULLYING"...



Numa escola em África a professora pede aos alunos que digam um verbo. O primeiro aluno pensa um bocado e finalmente diz:
- Bicicrete!
- Não, bicicleta não é um verbo! Tu aí atrás, ora diz um verbo!
O rapaz pensa um pouco e finalmente diz:
- Prástico!
- Não! Plástico também não é um verbo! Tu aí ao pé da janela, diz um verbo!
O rapaz pensa um pouco e diz:
- Hospedar!
- Muito bem! Hospedar é um verbo, sim senhor! Agora diz uma frase com esse verbo!
O rapaz pensa mais um pouco e por fim diz:
- Hospedar da minha bicicrete são de prástico!



Da NET



Posted by alone Dated03may2011

Citações actuais



O egoísmo, a insensibilidade, a frieza de espírito, nascidos de um sistema que liquida os laços sociais de que a humanidade é fundamento, determinam e talvez expliquem este nosso amargo tempo.

Autor: Baptista-Bastos
Fonte: Jornal de Negócios




Posted by alone Dated03may2011


Noite Apressada




Era uma noite apressada
depois de um dia tão lento.
Era uma rosa encarnada
aberta nesse momento.
Era uma boca fechada
sob a mordaça de um lenço.
Era afinal quase nada,
e tudo parecia imenso!

Imensa, a casa perdida
no meio do vendaval;
imensa, a linha da vida
no seu desenho mortal;

imensa, na despedida,
a certeza do final.

Era uma haste inclinada
sob o capricho do vento.
Era a minh'alma, dobrada,
dentro do teu pensamento.

Era uma igreja assaltada,
mas que cheirava a incenso.
Era afinal quase nada,
e tudo parecia imenso!

Imensa, a luz proibida
no centro da catedral;
imensa, a voz diluída
além do bem e do mal;
imensa, por toda a vida,
uma descrença total!

David Mourão-Ferreira, in "À Guitarra e à Viola"



Posted by alone


Dated03may2011


segunda-feira, 2 de maio de 2011

VAMPIROS



Eu não acredito em gnomos ou duendes, mas vampiros existem. Fique ligado, eles podem estar numa sala de bate-papo virtual, no balcão de um bar, no estacionamento de um shopping. Vampiros e vampiras aproximam-se com uma conversa fiada, pedem seu telefone, ligam no outro dia, convidam para um cinema. Quando você menos espera, está entregando a eles seu rico pescocinho e mais. Este "mais" você vai acabar descobrindo o que é com o tempo.

Vampiros tratam você muito bem, têm muita cultura, presença de espírito e conhecimento da vida. Você fica certo que conheceu uma pessoa especial. Custa a se dar conta de que eles são vampiros, parecem gente. Até que começam a sugar você. Sugam todinho o seu amor, sugam sua confiança, sugam sua tolerância, sugam sua fé, sugam seu tempo, sugam suas ilusões. Vampiros deixam você murchinha, chupam até a última gota. Um belo dia você descobre que nunca recebeu nada em troca, que amou pelos dois, que foi sempre um ombro amigo, que sempre esteve à disposição, e sofreu tão solitariamente que hoje se encontra aí, mais carniça do que carne.

Esta é uma historinha de terror que se repete ano após ano, por séculos. Relações vampirescas: o morcegão surge com uma carinha de fome e cansaço, como se não tivesse dormido a noite toda, e você se oferece para uma conversa, um abraço, uma força. Aí ele se revitaliza e bate as asinhas. Acontece em São Paulo, Manaus, Recife, Florianópolis, em todo lugar, não só na Transilvânia. E ocorre também entre amigos, entre colegas de trabalho, entre familiares, não só nas relações de amor.

Doe sangue para hospitais. Dê seu sangue por um projeto de vida, por um sonho. Mas não doe para aqueles que sempre, sempre, sempre vão lhe pedir mais e lhe retribuir jamais.

Martha Medeiros




Posted by alone

Dated02may2011

domingo, 1 de maio de 2011

Notícias do Chefe (PIADA, hein?!...)



O chefe chega no escritório e fala para todos os funcionários:
- Gente, hoje eu tenho uma ótima notícia pra dar!
- Nós ganhamos alguma concorrência? – pergunta um puxa-saco.
- É bem melhor que isso! – responde o chefe.
- A gente vai ganhar aumento? – pergunta um engraçadinho anônimo, lá do fundo da sala.
- Gente, eu tô falando sério – esclarece o chefe, bem-humorado – A minha mulher finalmente ficou grávida!!!
O mesmo engraçadinho lá do fundo da sala grita:
- Que legal! E o senhor já sabe quem é o pai?



Fonte: Net



Moral de alone: tem CHEFE que é distraído, não é só o funcionário...!!!






Posted by alone

Dated01may2011


Obrigado, ODETE - Amor de Mãe



O Amor da mãe pode ser traduzido
em uma palavra:
doação.
Falar desse sentimento é entender que ele
é a mais completa forma de amor.
Um amor que se doa,
coloca em primeiro plano o bem-estar,
a segurança de um outro ser.
Impossível falar de mãe
sem falar da pureza de um amor,
que diante de todo o sofrimento disse Sim:
Maria.
Uma mãe que,
como tantas mães em nosso país,
olha com lágrimas nos olhos o presente
e o futuro árduo do filho.
Talvez seja por isso que a mãe Maria
se expressa em cada olhar de mãe,
em cada gesto de doação da mulher.
No rosto de uma mulher que assume
a maternidade inteiramente,
mesmo diante de tudo o que há de vir,
há a presença iluminada de um lado vivo,
mas esquecido por todos,
homens e mulheres:
O AMOR!!!!

Autor desconhecido






Nota de alone: fico confuso com a mudança no Dia da Mãe. Mas, segundo julgo, aí em Portugal é HOJE o Dia.

Enfim, mãe ODETE, sabe que NUNCA o seu filho teve "essa coisa" do DIA da MÃE. SEMPRE era DIA da "minha" mãe.


Lembras-te, ODETE?!...



Descansa em PAZ...!!!

Continua SEMPRE comigo e no meu pensamento.

Beijo do

filho

RUI





Written and Published by alone

Dated01may2011

Daqui desde deserto em que persisto

Nenhum ruído no branco.
Nesta mesa onde cavo e escavo
rodeado de sombras
sobre o branco
abismo
desta página
em busca de uma palavra

escrevo cavo e escavo na cave desta página
atiro o branco sobre o branco
em busca de um rosto
ou folha
ou de um corpo intacto
a figura de um grito
ou às vezes simplesmente
uma pedra
busco no branco o nome do grito
o grito do nome
busco
com uma fúria sedenta
a palavra que seja
a água do corpo o corpo
intacto no silêncio do seu grito
ressurgindo do abismo da sede
com a boca de pedra
com os dentes das letras
com o furor dos punhos
nas pedras

Sou um trabalhador pobre
que escreve palavras pobres quase nulas
às vezes só em busca de uma pedra
uma palavra
violenta e fresca
um encontro talvez com o ínfimo
a orquestra ao rés da erva
um insecto estridente
o nome branco à beira da água
o instante da luz num espaço aberto

Pus de parte as palavras gloriosas
na esperança de encontrar um dia
o diadema no abismo
a transformação do grito
num corpo
descoberto na página do vento
que sopra deste buraco
desta cinzenta ferida
no deserto

As minhas mãos são frias
têm o frio da página
e da noite
de todas as sombras que me envolvem
são palavras frágeis como insectos
como pulsos
e acumulo pedras sobre pedras
cavo e escavo a página deserta
para encontrar um corpo
entre a vida e a morte
entre o silêncio e o grito

Que tenho eu para dizer mais do que isto
sempre isto desta maneira ou doutra
que procuro eu senão falar
desta busca vã
de um espaço em que respira
a boca de mil bocas
do corpo único no abismo branco

Sou um pobre trabalhador pobre
nesta mina branca
onde todas as palavras estão ressequidas
pelo ardor do deserto
pelo frio do abismo total

Que tenho eu a dizer
neste país
se um homem levanta os braços
e grita com os braços
o que de mais oculto havia
na secreta ternura de uma boca
que era a única boca do seu povo
Que posso eu fazer senão
daqui
deste deserto
em que persisto
chamar-lhe camarada

António Ramos Rosa


Origem: http://portodeabrigo.do.sapo.pt/rosa11.html






Posted by alone

Dated01may2011

Primeiro de Maio de 1974




Nota de alone: VIVI este 1° de Maio em Angola, onde cumpria o serviço militar obrigatório. Mas, através da rádio, acompanhei, a par e passo, estas manifestações em Lisboa. Povo UNIDO, infelizmente por pouco tempo...!!!


Vamos ACREDITAR mais "em NÓS" e menos nos políticos que nos (des)governam há quase 40 anos?!... Vamos "partir" pra "outra"...!!!




Posted by alone


Dated01may2011