Eu e SÓ EU...

Eu e SÓ EU...
Alone

Como EU sou...

Photo Effects by Wishafriend
Photo Effects By WishAFriend.com

Bom Dia, Boa Noite... "essas coisas"!

Posting

Photo Flipbook Slideshow Maker
PORTUGAL é "só isto"...?!... NÃO... essencialmente, é UM POVO...!!!

Provérbios

“Só um sentido de invenção e uma necessidade intensa de criar levam o homem a revoltar-se, a descobrir e a descobrir-se com lucidez”. (Pablo Picasso)

PORTRAIT




Não importa quantos passos você deu para trás, o importante é quantos passos, agora, você vai dar para frente.

Gedeão


Eu, quando choro, não choro eu. Chora aquilo que nos homens em todo o tempo sofreu. As lágrimas são as minhas mas o choro não é meu.A.Gedeão

A(o)s que me deixam MENOS alone...!!!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

ORA, TOMEM... Ricos devem pagar a crise? Os "nossos" têm dúvidas ("nossos"... Pôrr@...)

Patinhas Amorim achando uma moedinha de 10 Cêntimos em ouro...!!!




Há alguns que se consideram simples assalariados, outros que até não se importam de ajudar, mas duvidam que isso resolva alguma coisa




São ricos, mas trabalham e, por isso, alguns milionários portugueses consideram-se apenas isso mesmo: trabalhadores. Daí que não considerem ter uma responsabilidade especial na resolução da crise. Outros até estariam dispostos a pagar mais impostos, como defendem também vários detentores de grandes fortunas em França.

O líder da Corticeira Amorim que é, de resto, o homem mais rico do país, disse ao «Jornal de Negócios» que não se considera rico. «Sou trabalhador», diz Américo Amorim, garantindo assim não passar de um simples assalariado.

Manuel Violas, dono de cinco casinos em Portugal e também accionista da UNICER, é o detentor da oitava maior fortuna do país e está disponível para pagar mais impostos em prol da crise, mas se todos ajudarem.

Joe Berardo também considera que «se houver uma taxa especial todos devemos contribuir», mas «mais importante do que essa contribuição é que os empresários que têm riqueza criem postos de trabalho». E, «mesmo que todos ajudassem um pouco, não se resolvia o problema da dívida».

Afastando prontamente o rótulo de milionário, André Jordan, empresário do sector do Turismo duvida do impacto de um imposto especial para milionários na redução do défice, embora reconheça que teria «um valor simbólico grande».

O empresário Patrick Monteiro de Barros não entende a proposta, questionando qual seria a contrapartida exigida: «Se é um acto solidário é uma coisa, agora imagine se é uma proposta para o doutor Sarkozy mudar a sua perspectiva sobre os eurobonds» (euro-obrigações).

Desta feita ao «Diário Económico», o líder dos Cimentos Liz, Luís de Mello Champalimaud, lembrou que já na altura do 25 de Abril de 1974 existia o slogan «os ricos que paguem a crise». A chave para o problema está antes, argumenta, na Justiça: quando ela começar a ser eficaz e mais rápida e quando os contribuintes e os seus impostos passarem a ser respeitados, muitos problemas verão uma luz ao fundo do túnel.

Quem dá o seu aval à proposta francesa de os milionários pagarem mais impostos é José Roquette. O dono da Herdade do Esporão sugere a criação de uma sobretaxa em sede de IRC a ser aplicada a grandes empresas e seus accionistas.

Filipe de Botton, o líder da Logoplaste, entende que momentos excepcionais exigem respostas também elas excepcionais, pelo que acredita que, dentro de um quadro de razoabilidade, todos os empresários portugueses verão com bons olhos medidas que reduzam as desigualdades sociais.

Na mesma linha, o patrão da Iberomoldes, Henrique Neto, mostra-se disponível para uma contribuição especial. Ao mesmo jornal lembrou que já defendeu e até escreveu que o Orçamento do Estado para este ano devia incluir já um imposto especial para rendimentos superiores a 100 mil euros, um imposto com um grau progressivo de aumento para rendimentos acima desse patamar.

Em Espanha, embora esteja de parte, por «falta de tempo», a criação de um imposto especial, os mais ricos podem ver agravadas as contribuições fiscais já existentes.

Fonte: www.agenciafinanceira.iol.pt/economia/





Nota de alone: mas que queriam que o senhor Amorim e Companhia dissesse de lhes "irem aos bolsos"...!!! Ahhhh.... rsrs... "empresários de 1ª, estes"...!!! Rsrs... e "muito trabalhadores, por sinal"...!!! Rsrs....






Posted by alone Dated24aug2011


Um comentário :

  1. Se eles são trabalhadores eu sou uma escrava.
    Conversa da treta de quem está podre de dinheiro.
    Já vi que fizeste o "xeque" da situação.
    Já não levo meia hora a cometar.

    Beijinhos

    ResponderExcluir